Modernização do setor elétrico: disruptura tecnológica em face aos desafios regulatórios

Com palestra do presidente da PSR, Luiz Augusto Barroso, o painel Tecnologia como driver da modernização do setor tratou das disrupturas e as “ameaças” aos modelos tradicionais advindas das transformações tecnológicas no setor elétrico. A modernização do setor elétrico possui como desafio não só a adaptação às inovações tecnológicas que se apresentam a cada dia de forma mais acelerada, mas os desafios regulatórios, com modelos flexíveis e que se adaptem às novas realidades, são alvo de atenção do setor. 

Em sua palestra, Luiz Barroso falou sobre a grande evolução das baterias e que estas são um interesse não apenas da indústria do setor elétrico, mas de tantas outras como a automotiva e de telecomunicações. Barroso tratou ainda de questões como os novos modelos de negócios e ofertas em portifólio; informações e opções de escolha ao consumidor; algoritmos que potencializam as sinergias (ciência dos dados); e também sobre a necessidade de revisão das políticas públicas, regulação e do desenho de mercado. “Marcos regulatórios precisam ser flexíveis”, concluiu.

O painel contou com a participação de debatedores qualificados com executivos e CEOs de importantes companhias como Engie, Lactec, CPFL Energia, Comerc, EDP, Enel e Neoenergia. Os executivos abordaram situações práticas dos impactos da rápida evolução tecnológica, vivenciadas no mercado brasileiro e também no mercado internacional, comparando dos dois ambientes.

O presidente da EPE, Thiago Barral, foi o moderador do painel e destacou, dentre outros pontos, o contraste que o setor ainda vive em relação à rapidez da evolução tecnológica enquanto que muitas destas tecnologias que se apresentam ainda parecem distantes dos consumidores no Brasil.